Museu do Pico

Mata de Dragoeiros

Os dragoeiros do Museu do Vinho constituem o maior bosque desta espécie, na Macaronésia, com exemplares centenários. Esta foi uma das principais plantas tintureiras, com interesse comercial, utilizadas entre os séculos XV e XIX. A sua resina, transparente e de cor vermelho sangue, conhecida por sangue de dragão ou drago, era utilizada na produção de tintas, corantes, lacres, vernizes e produtos medicinais. As folhas chegaram a ser usadas pelos tanoeiros no calafeto de vasilhame e pelos viticultores na amarra de enxertos. Atualmente são utilizadas na produção de artesanato.

Local
Museu do Vinho - Madalena do Pico
Data Inicial
2016-11-28
Voltar atrás

Optimizado para as últimas versões dos browsers:
Microsoft Edge, Google Chrome, Safari, Opera e Firefox

Desenvolvido pela Salworks